O Pai do Ano

Tutty Vasques escreve todos os dias no portal Estadao.com.br, de terça a sábado neste caderno e aos domingos no caderno Aliás

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

05 Agosto 2009 | 00h00

Se as eleições para Pai do Ano fossem hoje, dificilmente José Sarney teria chances de derrotar um inesperado concorrente revelado nesta semana nas páginas de Esportes do Estadão. A notícia sobre o que o ex-piloto Nelson Piquet tem feito por seu filho - negocia a compra de uma equipe de Fórmula 1 pro garotão voltar às pistas em 2010 -, praticamente tira o presidente do Senado do páreo. Que outro pai meteria a mão no próprio bolso para sustentar o sonho milionário do filho que precisa de um empurrãozinho para vencer? "E vê se para de correr atrás", teria dito a Nelsinho, depois de acertar as bases da sociedade Piquet-Sauber na escuderia BMW. Uma coisa parece não ter nada a ver com a outra, mas o tricampeão mundial de F1 virou, na semana do Dia dos Pais, coprotagonista daquilo que a tropa de choque do PMDB chama de campanha insidiosa da imprensa para destruir, sem ressalvas de mérito pessoal, a imagem pública de José Sarney. Justiça seja feita, como diria o Lula, o senador também não é um pai comum. PONTO DE VISTA "O trânsito de São Paulo não é caótico", pérola do secretário de Transportes Alexandre de Moraes no programa Roda Viva (TV Cultura), é forte candidata ao 2.º lugar no ranking regional de negação de evidências. "Paulo Maluf não tem e nunca teve conta no exterior" continua isolada na liderança. TODOS IGUAIS "Eucatex, tucatexes, elecatex, noscatexamos,voscatexais, elescatexam." Paulo Maluf, conjugando seus problemas com os de outros políticos brasileiros Saída honrosa No acordo que, até o fechamento desta coluna, ainda se costurava no Congresso para a saída de Sarney, a oposição já havia oferecido ao presidente do Senado um helicóptero, quatro coletes à prova de bala e uma mordaça para o Collor, caso sua companhia fosse reivindicada. Bom de Pyongyang Algumas horas de Bill Clinton em Pyongyang foram suficientes para o ex-presidente conseguir um "perdão especial" para as duas jornalistas americanas presas na Coreia do Norte. Hillary Clinton assistiu a tudo boquiaberta. Dito popular Tem pichação nova nos muros de Brasília: "Se conselho de ética fosse bom, não se dava, vendia-se!" Bolsa-Antifumo A caça aos fumantes em São Paulo começa discretamente à meia-noite de quinta-feira. A lei só vai vigorar pra valer quando o governo pagar recompensa ao paulistano que denunciar o cigarro da mesa ao lado. Grande Uribe! A visita de última hora a Brasília programada para amanhã pelo presidente colombiano Alvaro Uribe caiu do céu na agenda do colega brasileiro. Lula estava de malas prontas pro Maranhão. Fica pra próxima, né?! Era só o que faltava! Para quem pensa que já viu de tudo no mundo artístico, o Multishow vai juntar Preta Gil e Reginaldo Rossi no palco da cerimônia do prêmio de música do canal por assinatura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.