O sapato sem sola e os sonhos de consumo

Enquanto FHC perdia a sola do calçado durante caminhada pró-Serra, Lula passeava entre carros esportivos no Salão do Automóvel

Daiene Cardoso e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

No dia em que o ex-operário e presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou horas avaliando carros de luxo, o ex-professor e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso perdeu a sola de um dos sapatos em uma passeata.

Os eventos tiveram São Paulo como palco. Lula visitou o Salão Internacional do Automóvel e fez a festa de publicitários, marqueteiros e empresários do setor. FHC percorreu ruas do centro da cidade com outros tucanos e entusiastas da candidatura de José Serra (PSDB) à Presidência.

"Assim é que é bom, gastar sola de sapato", comentou o ex-presidente, ao ser questionado sobre o defeito no calçado. Praticamente ausente da campanha de Serra no primeiro turno, ele seguiu para sede o Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC) depois de caminhar em apoio ao correligionário.

Lula, sem percalços de mobilidade, mexeu no volante de uma Ferrari, autografou o vidro de um protótipo da Volkswagen e elogiou um modelo esportivo de R$ 785 mil da Audi, capota conversível, para demonstrar que tem sonhos de consumo exagerados, como boa parte dos frequentadores do Salão do Automóvel. "Este é um bom carro para um ex-presidente", disse, após entrar no veículo, segundo executivos da empresa.

Em poucos minutos, a frase atribuída a Lula era divulgada à exaustão pelos assessores de imprensa da fabricante alemã de carros para dezenas de jornalistas que cobriam evento, realizado no Pavilhão de Exposições do Anhembi.

A empresa ainda complementou a informação: o cantor Roberto Carlos foi o primeiro a encomendar um modelo do esportivo.

Em entrevista após a visita à feira, o presidente se assustou com perguntas dos repórteres sobre o carro alemão e a sua suposta frase. "Ah, nem (como) ex-presidente. Não posso utilizar aqueles carros. São muito bonitos os carros. Muito bonitos", despistou.

O presidente declarou que seu único sonho de consumo é voltar a assistir jogos do Corinthians na arquibancada do Estádio do Pacaembu, como fazia à época em que vivia em São Bernardo do Campo, cidade onde trabalhou em montadoras e despontou como líder sindical.

"Uma coisa que eu quero fazer no ano que vem - aí eu quero fazer prazerosamente - é comprar um ingresso para o Pacaembu, sentar na arquibancada e ver um bom jogo de futebol. Faz mais de dez anos que eu não faço isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.