O show da morte

Tutty Vasques escreve todos os dias no portal Estadao.com.br, de terça a sábado neste caderno e aos domingos no caderno Aliás

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

08 Julho 2009 | 00h00

Como foi a primeira transmissão ao vivo de um velório pop sem que, até então, ninguém soubesse sequer vagamente o que é isso, a gente precisa dar um desconto à performance dos profissionais de televisão, coitados! Não imaginavam o que iam narrar quando chegaram as primeiras imagens da homenagem a Michael Jackson no Staples Center, em Los Angeles. Cristiane Pelajo, da Globo, não estava preparada para tanta tradução simultânea. Tomou uma canseira! Nessas horas deve ser bom ser como o Datena, que vai logo dizendo qualquer bobagem intraduzível com a autoridade de quem sabe o que está falando. Ontem à tarde, o apresentador da Band caprichou: "O que Michael Jackson queria ser não cabia dentro de um ser humano." Palavra de quem nunca foi um fã incondicional do artista: "Tenho lá minhas diferenças com ele na parte pessoal, mas como músico é um gênio", aliviou a cara do morto. No final, aplaudiu o velório: "Onde quer que o Michael esteja, está satisfeito!" Sinal de que não assistiu a seu funeral pela TV. NINGUÉM É PERFEITO Juliana Paes e Cléo Pires não são boas de pontaria! Há mais de um mês atirando panelas uma na outra nas gravações de Caminho das Índias, não acertaram uma só vez o alvo. Hare baba! SORRIA! Faltam menos de dois meses para Carla Bruni chegar ao Brasil. Marisinha paz e amor Dona Marisa Letícia fez as pazes com Lula em Paris. Quando o presidente chamou a primeira-dama para viajar, ela chegou a temer que fossem para Tegucigalpa com o companheiro Manuel Zelaya. Tião é o cara! Ninguém precisa ficar deprimido por isso, mas a certa altura do noticiário da semana o País viveu a sensação de que o único cara decente, lúcido, honesto e corajoso em Brasília é o senador Tião Viana. É duro, né não? Bendito fruto O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, vive dias de pinto no lixo: um dia com Cristina Kirchner em Manágua, outro com Hillary Clinton em Washington... A vida em Tegucigalpa era bem menos agitada. Gazeta salvadora Galvão Bueno confessou no Bem Amigos que cansou de matar aula para ver o Pelé jogar no Pacaembu. Se tivesse estudado, talvez estivesse hoje desempregado, né não? Mania nacional São Paulo vive a expectativa de novo recorde de engarrafamentos na véspera do feriadão da Revolução Constitucionalista. O governo fez sua parte reduzindo o IPI de automóveis, agora chegou a vez do paulistano botar o carro novo na estrada. Vamos lá, gente! Agora vai! A começar por dois ex-diretores do Senado, Sarney promete punir todo mundo que lhe fazia favores pelas costas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.