OAB critica proposta de Lembo para grampo

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, reagiu neste à proposta feita pelo governador de São Paulo, Cláudio Lembo, de grampear as conversas entre presos e seus advogados, como uma ação de combate à violência no Estado. "O governador vem demonstrando com as suas atitudes que é um saudosista do regime militar, período em que serviu com muita dedicação e zelo aos então chefes militares", afirmou Busato, acrescentando que se trata de uma idéia "retrógrada, antiquada e arbitrária".O governador paulista lançou a proposta no final de semana ao apoiar a sugestão do relator da CPI do Tráfico de Armas, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), de instituir revista prévia de advogados em visitas aos seus clientes presos. Para Busato o governador paulista quer rasgar a Constituição e implantar em São Paulo "o Estado policial, o Estado autoritário e o Estado ditatorial".O presidente da OAB reafirmou que a entidade concorda com a instituição da revista eletrônica dos advogados quando vão atender clientes em presídios, mas voltou a defender que seja uma ação estendida a todas as pessoas que entrem nas prisões. "A revista eletrônica nos presídios deve ser ampla, geral e irrestrita, não se limitando aos advogados, mas abrangendo também juízes, agentes penitenciários, policiais de todas as patentes, religiosos, familiares e prestadores de serviços em geral", afirmou.Busato acrescentou que a entidade defende punição rigorosa para os advogados que cometem faltas éticas graves como, por exemplo, servir aos propósitos das facções do crime organizado como o PCC, ressaltando que trata-se de um pequeno segmento da advocacia. Busato lembrou que o Conselho Federal da ordem quer tornar mais duras e rápidas as punições previstas no Estatuto da advocacia contra esses advogados, mas ainda aguarda votação do Congresso sobre a proposta enviada nesse sentido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.