OAB critica uso de videoconferência em interrogatórios

Entidade concorda com necessidade de mudar interrogatório, mas propõe que juízes vão até presídios

Marcelo Godoy e Bruno Tavares, de O Estado de S. Paulo,

10 de dezembro de 2008 | 11h08

A aprovação do projeto de lei que institui a videoconferência no País provocou reações contraditórias entre governo, especialistas e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Enquanto os dois primeiros comemoraram a decisão dos parlamentares, ressaltando a maior segurança e celeridade do processo, a entidade voltou a criticar a idéia. "O Supremo Tribunal Federal (STF) já deu decisões sobre a inconstitucionalidade da proposta", assinalou o presidente da seccional paulista da OAB, Luiz Flávio Borges D’Urso. "Vou encaminhar ofício ao Ministério da Justiça e ao presidente Lula, pedindo que não sancione o projeto."   Veja também: Interrogatório por videoconferência segue para sanção de Lula   O assunto voltou a esquentar em setembro, depois que o STF mandou soltar nove integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) que estavam presos em flagrante há anos sem que fossem julgados. Só não foram colocados em liberdade porque o Tribunal de Justiça paulista intercedeu.   A OAB concorda com a necessidade de modificar o método de interrogatório, mas propõe que o juiz se desloque até os presídios. "É mais barato, seguro e, principalmente, respeita a lei", argumenta D’Urso. "O juiz que faz isso - e são poucos - consegue realizar, numa manhã, 8, 10, 12 interrogatórios."   A entidade de classe é uma das poucas vozes dissonantes quando o assunto é videoconferência. "Essa é uma medida muito importante, traz mais segurança à sociedade e celeridade à prestação jurisdicional, sem que haja prejuízo à defesa. A presença física do réu não é necessária, pois o juiz julga pela prova e não pela emoção", afirma o secretário da Administração Penitenciária de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto.   Segundo ele, "a sociedade convive com o risco de resgate de presos perigosos" toda vez que são transportados do presídio para um fórum. Para o secretário, "milhares de escoltas deixarão de ser feitas". Os cerca de 1.500 policiais mobilizados para esse trabalho poderão ser empregados no combate à criminalidade. "A rapidez dos processos aumentará."   O juiz aposentado Wálter Maierovitch, presidente do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone, lembrou uma frase dita pelo ex-procurador nacional Antimáfia da Itália Pierluigi Vigna. "Ele dizia que só a videoconferência é capaz de acabar com o turismo judiciário. Toda vez que eu vejo o Fernandinho Beira-Mar andando de avião, policiais em escolta sendo arrebatados em estradas e as diárias pagas pelo Estado, eu me lembro dessa expressão", comentou.   Em São Paulo, a videoconferência começou a ser utilizada em 2005. Até agosto deste ano, a 18ª Vara Criminal da Barra Funda era a líder do ranking, com 954 videoconferências. Das 3.533 realizadas no período, 950 envolviam presos de Presidente Venceslau e Bernardes, onde estão os encarcerados mais perigosos.

Tudo o que sabemos sobre:
videoconferênciaSTFOAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.