OAB lamenta ataque sofrido por brasileira no Timor Leste

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, lamentou o ataque sofrido pela juíza de Rondônia Sandra Silvestre, de 37 anos, esfaqueada nas mãos e nos dois braços durante tentativa de assalto em Dili, no Timor Leste. ?O Brasil tem ajudado o Timor Leste no processo de redemocratização e é lamentável que um fato triste como esse tenha acontecido com uma representante da magistratura que está naquele país apenas com o objetivo de ajudar?, afirmou Britto. Silvestre está no Timor a convite do governo brasileiro para atuar como observadora internacional das eleições presidenciais, realizadas neste domingo, 8. Ela levou 50 pontos nos braços e nas mãos e passa bem. A juíza está há dez anos na magistratura do Estado de Rondônia. Em setembro de 2004, ela foi convidada pela ONU para integrar a missão de paz que terminou em maio deste ano. Imediatamente recebeu novo convite da ONU, dessa vez para permanecer no país participando de uma nova missão: a Unotil, que visa a reconstrução das instituições timorenses sem a presença das forças de paz. Desde que o Timor Leste se tornou independente, em 2000, outros dois magistrados brasileiros já integraram missões oficiais da ONU, tomando parte nos chamados painéis (tribunais) de crimes contra os direitos humanos, que julgam os abusos cometidos pelo Exército da Indonésia em 1997 e 1999.

Agencia Estado,

09 Abril 2007 | 13h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.