OAB poderá expulsar advogados investigados pela PF

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) poderá expulsar os advogados que estão sendo investigados pela Operação Hurricane (furacão, em inglês), que prendeu na última sexta-feira, 13, 25 pessoas envolvidas com supostas irregularidades nos jogos de máquinas de caça-níqueis. Neste domingo, o presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, disse que determinou a abertura de procedimentos administrativos internos para investigar se houve participação desses advogados com as irregularidades que estão sendo apuradas pela Polícia Federal. O procedimento aberto pode resultar na expulsão desses advogados dos quadros da Ordem. Além de advogados, as prisões envolveram desembargadores, delegados da Polícia Federal e bicheiros, entre outros. Na operação foram presos os advogados Evandro da Fonseca, Jaime Garcia Dias, Sérgio Luzio Marques de Araújo, Silvério Néri Cabral Junior e Virgílio de Oliveira Medina, irmão do ministro do Superior Tribunal de Justiça Paulo Medina. "Deixamos claro, ainda, que os advogados envolvidos nas investigações, caso comprovada a sua culpa, sofrerão as penalidades que a lei prevê", garantiu Damous. Segundo a OAB, essas penalidades internas vão desde a suspensão ou expulsão dos quadros da Ordem caso comprovado envolvimento dos advogados com a organização criminosa desbarata pela polícia. Para Damous, esse procedimento pode ajudar o País a melhorar suas instituições. "Queremos, assim como quer o povo brasileiro, que o País fique livre de todas as mazelas que nos envergonham como Nação, mormente aquelas vindas das estruturas dos Poderes estabelecidos. Sabemos, todavia, que somente com o aprofundamento das conquistas democráticas isto poderá acontecer como fruto de um trabalho sério, responsável e de inquestionável legalidade", disse.

Agencia Estado,

15 Abril 2007 | 11h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.