OAB quer rapidez em investigação policial

Passados 12 dias desde o assassinato do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, a Polícia Civil de Brasília não apresentou sequer um suspeito do crime até ontem à noite. A demora na solução do caso incomoda a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que ontem cobrou celeridade nas investigações.

, O Estadao de S.Paulo

09 de setembro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.