Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

OAB-RJ critica prisões em protesto de professores no Rio

Representante da Comissão de Direitos Humanos da entidade afirma que serão registradas ocorrências por abuso de autoridade de policiais

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2013 | 11h34

RIO - Advogados do Instituto de Defesa dos Direitos Humanos e da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ disseram na manhã desta quarta-feira, 16, que 76 pessoas foram presas em flagrante por conta do protesto da noite dessa terça no centro do Rio. Destas, 47 ficaram na 25ª DP (Engenho Novo), 20 na 37ª DP (Ilha do Governador) e o restante em outras delegacias. Das carceragens, serão encaminhadas para presídios ainda nesta quarta.

Na 25ª DP, dos 47, 40 são adultos e sete, menores. Todos eles foram autuados pelo crime de formação de quadrilha. Na 29ª DP (Madureira), 24 pessoas ficaram detidas e já foram liberadas; na 22ª DP (Penha), 49 também foram liberados.

O advogado Luiz Peixoto, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, disse que todos os 47 ativistas que foram para a 25ª DP estavam refugiados na escadaria do prédio da Câmara dos Vereadores, na Cinelândia, quando, no início da madrugada desta quarta, foram abordados por PMs sem identificação que os obrigaram a entrar em dois ônibus da corporação.

"Depois do protesto na Cinelândia, eles se refugiaram na escadaria. Alguns porque não conseguiram voltar para casa; outros, porque a mídia alternativa estava lá e eles se sentiam seguros. E outros apenas para se resguardar da violência que estava acontecendo no entorno. Vamos registrar ocorrências de abuso de autoridade contra os policiais que os obrigaram a entrar nos ônibus sem se identificar e sem qualquer motivo", disse o advogado. Neste momento, dezenas de ativistas estão na porta da 25ª DP protestando contra as prisões. Os presos que foram para lá já foram ouvidos, e agora estão dentro de ônibus da PM aguardando para serem levados para o Instituto Médico Legal, onde farão exame de corpo de delito, e, de lá, para um presídio. Os menores vão para a Delegacia de Proteção da Criança e do Adolescente.

Onze pessoas que ficaram feridas sem gravidade no protesto deram entrada no Hospital Souza Aguiar, a maioria com ferimentos leves, decorrentes de quedas, e com desconforto por inalação de gás.

Mais conteúdo sobre:
oabrioprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.