OAB-SP vai apurar ligação de advogados com PCC

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, pediu nesta terça-feira, 6, à seccional paulista da entidade que apure suspeitas de ligação de 34 advogados com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Uma lista com os nomes dos advogados suspeitos foi entregue hoje a Busato pelo deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE).Também foi encaminhada à entidade uma relação das visitas feitas por esses advogados a integrantes do PCC que estão em presídios. Segundo a OAB, uma única advogada fez 106 visitas a detentos que integram o PCC. No dia 22 de fevereiro, por exemplo, ela esteve com seis presos. O deputado contou que há casos em que o advogado visita o preso sem ser formalmente seu defensor.ComissãoBusato determinou, nesta terça-feira, a criação de uma comissão para sugerir à CPI do Tráfico de Armas medidas para controlar o crime organizado. A decisão foi tomada hoje, durante encontro de integrantes da OAB e da CPI. Também deverão ser formuladas propostas para as reformas do Código de Processo Penal e da Lei de Execuções Penais que estão em discussão no Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.