OAB suspende advogada acusada de envolvimento com PCC

A advogada Leyla Maria Alambert, presa durante megablitz realizada nos presídios do Estado, no mês de maio, sob acusação de envolvimento criminoso com integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), foi suspensa preventivamente pelo Tribunal de Ética e Disciplina (TED) da OAB/SP por 90 dias.Em junho, o tribunal suspendeu Anselmo Neves Maia, também por 90 dias, sob a mesma acusação. Para o presidente do TED, Jorge Eluf Neto, a suspensão é medida preventiva que deve ser tomada quando o advogado fere o Código de Ética da Advocacia, tendo conduta incompatível com a moral individual, social e profissional.Segundo o site da OAB/SP, Leyla e Anselmo continuam a responder processo ético-disciplinar junto ao Tribunal de Ética da entidade. A pena mais rigorosa prevista para a punição de ambos é a cassação da carteira profissional de advogado.A advogada Mônica Fiori, que também teve prisão temporária decretada, junto com Anselmo e Leyla, ainda não teve sua situação avaliada pelo Tribunal de Ética e Disciplina. Fiori foi libertada em 27 de maio, por falta de provas. A Justiça Estadual decretou no último dia 7 de junho a prisão preventiva dos dois advogados, Anselmo e Leyla, até o julgamento do processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.