OAB tenta novamente trazer catarinense presa na Turquia

Após a recusa da Turquia em atender o pedido encaminhado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para permitir a volta da catarinense Ângela Wress, está sendo preparado um novo documento, para que pelo menos ela possa vir fazer no Brasil a cirurgia de que necessita com urgência.Ângela, 24 anos, que cumpre pena por tráfico de entorpecentes, apresenta lesão cardíaca, fez um transplante de válvula há três anos e agora necessita outro. Ela foi detida ao chegar à Turquia com cocaína numa mala que lhe teria sido entregue pelo namorado, que está preso em São Paulo.Segundo a advogada do Centro de Direitos Humanos de Joinville, Cynthia Pinto da Luz, a OAB pretende solicitar ao presidente Lula que se manifeste junto ao governo turco, reforçando o pedido.Nesta quarta-feira, 7, Ângela fez contato com os pais, informando que o último exame de sangue revelou aumento dos coágulos, o que agrava mais ainda o quadro, e que os médicos já não se responsabilizam caso ela morra. Ela tem um filho de três anos.O pai dela, Maurílio Wress, disse que o desespero da família cresce a cada minuto. "Não temos como ir até lá, não tivemos acesso ao processo nem à sentença de condenação. Nossa filha foi vítima de uma quadrilha e é tratada como se fosse bandida. Querem que a gente se conforme com isso? Vão esperar que ela morra para fazer alguma coisa?", revoltou-se.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.