Ocupação da Rocinha terá todo apoio do governo federal, diz ministro

Comunidade deve ser permanentemente ocupada a partir de domingo, 13, com a ajuda do Corpo de Fuzileiros Navais

Agência Brasil,

11 Novembro 2011 | 14h47

SÃO PAULO - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta sexta-feira, 11, que o governo federal dará, ao Rio de Janeiro, todo apoio necessário para a ocupação da Rocinha, na zona sul da cidade. De acordo com o governo do Rio, a comunidade deve ser permanentemente ocupada a partir de domingo, 13, com a ajuda do Corpo de Fuzileiros Navais.

De acordo com o ministro, a Polícia Federal também apoiará a ação e, se for necessário, a Força Nacional de Segurança poderá ajudar na ocupação da comunidade, que é uma das maiores do estado do Rio.

"Governo federal e governo do estado do Rio de Janeiro, nesse momento, são um só corpo, na perspectiva de consagrarmos mais uma UPP [Unidade de Polícia Pacificadora]. Aquilo que for necessário de efetivo, de pessoal, em relação à Polícia Federal, à Força Nacional, às forças do Ministério da Justiça, e temos certeza também que, em relação às Forças Armadas, nós disponibilizaremos. Não faltará efetivo", afirmou.

A ocupação faz parte do processo de instalação de uma UPP no local, a exemplo do que aconteceu nos Complexos do Alemão e da Penha, favelas ocupadas pelo Exército desde novembro do ano passado e que receberão UPPs no primeiro semestre do ano que vem. O governo do Rio não informou, entretanto, quando a UPP da Rocinha será instalada.

O ministro disse ainda que os presídios federais estão preparados para receber Antonio Bonfim Lopes, o Nem, e outras lideranças criminosas da Rocinha, tão logo a Justiça autorize a transferência dos criminosos para essas penitenciárias de segurança máxima.

"Os presídios federais estão abertos para receber aquelas pessoas que forem de alta periculosidade. Temos quatro presídios de segurança máxima e temos vagas para receber aqueles de alta periculosidade que forem presos nessas operações", disse.

O ministro participou nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, da assinatura de um acordo com o governo do Rio para a instalação de núcleos de justiça e cidadania nas comunidades pacificadas do estado.

Mais conteúdo sobre:
ocupação rocinha governo federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.