Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Ocupação de favelas registra 16 presos, além de armas e drogas apreendidas

Forças de segurança fizeram ocupação no Complexo do Caju, zona portuária do Rio, e na Barreira do Vasco, em São Cristóvão

Marcelo Gomes, Rio de Janeiro,

03 Março 2013 | 12h44

RIO DE JANEIRO - Dezesseis pessoas haviam sido presas, até as 10h30m deste domingo, pelas forças de segurança que participaram da ocupação das 13 favelas do Complexo do Caju, na zona portuária do Rio, e da comunidade Barreira do Vasco, em São Cristóvão, na zona norte.

A Polícia Militar apreendeu durante as buscas realizadas no Complexo do Caju duas réplicas de fuzil; uma réplica de espingarda; uma espada artesanal; uma faca; uma coronha de fuzil; duas munições para calibre ponto 50; 31 munições para calibre 45 milímetros; três carregadores de pistola. Também foram encontrados 119 frascos de cheirinho da loló; 300 gramas de maconha; 39 pedras de crack; sete radiotransmissores; cinco coldres; uma cartucheira calibre 38 e anotações da contabilidade do tráfico de drogas local.

Já a Polícia Civil, durante as buscas na Barreira do Vasco, efetuou quatro prisões. Dois homens foram presos em flagrante. Outros dois eram foragidos da Justiça. Foram apreendidas cocaína e maconha ainda não contabilizadas, uma pistola, dois radiotransmissores e carregadores.

A Polícia Federal apreendeu 93 quilos de pasta-base de cocaína; mil projéteis para fuzil calibre 7.62; 2.400 projéteis para calibre 9 milímetros e 28 carregadores para fuzil. Nessa ação, dois homens foram presos. A dupla foi abordada na Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas, zona norte, ainda durante a madrugada. Eles tentavam deixar o Complexo do Caju e seguiam em direção à Baixada Fluminense.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 14 trouxinhas de maconha, 236 pinos de cocaína, uma pistola, e três revólveres. Dez pessoas foram presas. As armas foram encontradas na Barreira do Vasco. O restante das apreensões foram feitas em ações nas rodovias BR-040, Presidente Dutra e Ponte Rio-Niterói.

Mais conteúdo sobre:
ocupação de favelas UPP Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.