Office-boy condenado a 18 anos pela morte de promotor

O office-boy Geraldo Roberto Parreiras, de 26 anos, foi condenado nesta terça-feira a 18 anos de prisão, em regime fechado, pela participação no assassinato do promotor Francisco José Lins do Rêgo Santos, em janeiro de 2002. A sentença foi proferida após 13 horas de julgamento.Os sete jurados consideraram Parreiras culpado por homicídio quadruplamente qualificado. Os advogados de defesa informaram que vão recorrer. O réu aguardará o recurso preso.O office-boy era acusado de colher informações sobre a rotina do promotor, a mando do empresário Luciano Farah do Nascimento, apontado como mandante e co-autor do crime. Parreiras era funcionário de Farah, proprietário da rede de postos West, que vinha sendo investigada por Lins do Rêgo por vender gasolina adulterada. Durante o julgamento, o office-boy negou as acusações.Os julgamentos de Farah e do soldado Edson Nogueira, apontado como autor dos 13 tiros que atingiram Lins do Rêgo, foram adiados. O julgamento do ex-policial militar foi marcado para 7 de julho. A audiência que vai julgar o principal acusado ainda não tem data para ocorrer. Os advogados dele entraram com pedido de habeas-corpus no Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.