Oficiais de Justiça e promotor impedidos de entrar em Assembléia no ES

Oficiais de Justiça e o promotor Fábio Ribeiro, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado, foramimpedidos por seguranças de entrar nesta segunda-feira à noite no plenário da Assembléia Legislativa do Espírito Santo. Houve confusão, troca de agressões e a sessão foi encerrada.Eles levavam a decisão do desembargador Amin Abiguenem, do Tribunal de Justiça, que manteve oafastamento de cinco deputados eleitos, acusados pelo Ministério Público Federal (MPF) de envolvimento em um escândalo de compra de votos no Estado.O deputado Geovani Silva (PTB) foi eleito nesta segunda o novo presidente da AssembléiaLegislativa, por 19 votos a 11, derrotando o petista Cláudio Vereza. Silva, ex-jogador defutebol, se recusou a assinar a ordem judicial com a decisão de afastamento dos deputados.De acordo com o MPF, os deputados Sérgio Borges, Gilson Gomes, Gilson Amaro, Marcos Gazzani e José Tasso receberam R$ 30 mil para votar a favor da reeleição do ex-presidente da Assembléia Legislativa, José Carlos Gratz (PFL), em 2000.O pedido de afastamento foi feito ao Tribunal de Justiça pelo Ministério Público Estadual, apóssugestão do MPF, alegando ato de improbidade administrativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.