Oficial da PM é morto a tiros em Maceió

Dupla disparou quatro vezes contra subtenente e depois fugiu levando o revólver dele

Ricardo Rodrigues, especial para O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2011 | 12h01

MACEIÓ - O subtenente da Polícia Militar de Alagoas, José Roque Carlos, de 49 anos, foi assassinado na noite de ontem dentro da Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal), no bairro do Farol, em Maceió. O militar ainda chegou a ser socorrido por colegas de farda da Radiopatrulha, mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do pronto-socorro.

 

Segundo testemunhas, o subtenente foi atingido por três tiros disparados por dois rapazes. José Roque foi executado quando estava em um dos portões de entrada da Esmal, por onde passam diariamente desembargadores, juízes, advogados e servidores do Judiciário alagoano.

 

Dezenas de policiais e várias viaturas da polícia estiveram no local do crime, realizaram buscas na região, mas não localizaram os suspeitos. O corpo do oficial foi levado para o instituto médico-legal, onde foi submetido a exames e colocado à disposição da família para o sepultamento.

 

A polícia ainda não divulgou os motivos do crime, mas trabalha com a suspeita de latrocínio, já que os assassinos levaram o revólver calibre 38 da vítima. De acordo com a polícia, a ação dos criminosos foi muito rápida. Os dois rapazes já chegaram ao prédio da Esmal com o objetivo de roubar uma arma e podem ter sido reconhecidos pelo subtenente, por isso decidiram assassiná-lo. Na fuga, um dos assassinos deixou para trás um par de chinelos.

 

Insegurança. Em entrevista à imprensa, o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas e diretor da Esmal, desembargador Sebastião Costa Filho, lamentou a morte do militar e reconheceu o clima de insegurança que afeta o Estado. "Infelizmente, Alagoas passa por uma fase difícil quanto à segurança. Não posso adiantar nada a respeito do caso, pois a polícia ainda se encontra à procura dos autores do crime", afirmou Costa Filho. Segundo ele, o Tribunal de Justiça deve divulgar hoje uma nota à imprensa sobre o ocorrido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.