Oliver Stone grava vídeo de apoio a Dilma

Cineasta que se reuniu com a petista no comitê diz que ela dá continuidade ao 'projeto de Lula'

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

A pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, ganhou ontem um cabo eleitoral "importado": o cineasta norte-americano Oliver Stone, que gravou um vídeo de um minuto e 31 segundos recheado de elogios à ex-ministra. Diretor de filmes de sucesso, Stone reuniu-se com a petista por mais de uma hora, em seu comitê de campanha, em Brasília.

Na avaliação do cineasta, que se encontrou pela primeira vez com Dilma, a petista é uma pessoa "muito inteligente", com uma "mente brilhante", além de ser "focada" e saber "tudo de energia e de economia". "Ela é dedicada ao desenvolvimento e à continuidade do projeto Lula", disse Stone, no vídeo.

O diretor também exalta as qualidades do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em especial a participação do Brasil na tentativa de promover um acordo nuclear entre Irã e as grandes potencias mundiais. "A situação do Irã poderia se tornar outro caso como o Iraque, pois me parece que os Estados Unidos estão interessados em outra marcha para a guerra. Eu adoro o que o Lula e o Brasil estão fazendo", disse Stone.

A passagem de Stone pelo Brasil para promover o documentário Ao Sul da Fronteira foi relâmpago. Ele não tinha visto de entrada no Brasil e ficou retido por horas na alfândega de São Paulo. O documentário é sobre sete presidentes da América Latina, com destaque para o venezuelano Hugo Chávez, de quem o cineasta se diz admirador. Stone prometeu enviar a petista uma cópia do documentário.

Além de gravar o vídeo com elogios à petista, Stone conversou com Dilma sobre seu novo filme Wall Street 2, que será lançado em setembro e abordará a recente crise financeira mundial.

Depois de Avatar. Dilma é a segunda presidenciável a se encontrar com um cineasta de renome mundial. Em abril, o diretor de Avatar, James Cameron, veio ao Brasil e se encontrou com a pré-candidata do PV, Marina Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.