Olivetto pediu cheeseburger ao chegar em casa

Depois de encontrar os familiares, a primeira coisa que o publicitário Washington Olivetto quis fazer foi comer um cheeseburger. O jornalista e amigo Juca Kfoury acompanhado da filha, foi comprar dezenas de sanduiches às 3 horas da manhã. "Ele está morrendo de fome e muito estressado", disse Kfoury. Olivetto chegou em casa à meia noite e meia, após sair do cativeiro. Ele estava no banco de trás de um Omega azul acompanhado da mulher Patricia e do delegado da Delegacia Anti-Sequestro Wagner Giudice. Durante a madrugada às 2h15, Olivetto recebeu a visita do publicitário Jose Zaragoza, um dos donos da agência DPZ. "Ele está ótimo e passa muito bem para quem sofreu tanto" disse Zaragoza. O sócio de Olivetto na agência W/Brasil, Xavier Llusa Ciureto entrou no apartamento do publicitário às 2 horas e não saiu mais até às 10 horas.Campanha contra violênciaNo Rio de Janeiro, o publicitário Lula Vieira disse hoje, após agradecer a Deus pela libertação do seu colega de profissão Washington Olivetto, que "seria muito bom, que depois de um tempo para superar o trauma, ele (Olivetto) usasse sua liderança e sua inteligência para combater esse tipo de coisa (seqüestros e violência em geral)". Vieira acha que Olivetto poderia liderar uma discussão sobre combate à violência "que não fosse boba". Ou seja, que não pregasse "a violência extrema das penas de morte e prisão perpétua, mas também não achasse que só se pode dar soluções sociais e que a violência só vai acabar depois que todo mundo for rico".Vieira se disse um admirador de Olivetto. "Gosto muitíssimo dele e estou feliz que ele tenha sido libertado. Quando nos encontramos, o que acontece umas dez vezes por ano, conversamos muito, mas não temos intimidade para dizer que somos amigos", afirmou Lula Vieira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.