Onda de violência no Morumbi

Assaltos aumentaram, dizem moradores; governo nega

Marici Capitelli, O Estadao de S.Paulo

03 de dezembro de 2008 | 00h00

Apavorados com a violência, moradores do Morumbi, na zona sul de São Paulo, afirmam que a cada dois dias uma casa é assaltada na região. A Secretaria Estadual de Segurança Pública nega a informação e ressalta que os roubos caíram em 5% em relação a 2007. Entretanto, informou que desde ontem policiais do Garra e do Grupo de Operações Especiais (GOE), ambos da Polícia Civil, intensificaram o patrulhamento na área.O delegado do 34º Distrito Policial (Morumbi), Arthur Frederico Moreira, afirma que já está recebendo mais homens e viaturas. "Os moradores podem ficar tranqüilos." Ele não confirma o número de 105 casas assaltadas desde janeiro, segundo dados da própria população. Mas o medo é tanto que os moradores estão tomando iniciativas próprias. Um grupo que vive no Jardim Cidade Panorama, pequeno bairro encravado no Morumbi, está implantando um sistema diferenciado de segurança comunitária, com custo estimado de R$ 60 mil a R$ 90 mil ao mês. O último roubo nessa região aconteceu na noite de sexta-feira. O dono do imóvel apanhou dos bandidos. Na avaliação dos moradores, a onda de assaltos se intensificou depois da construção do Shopping Cidade Jardim, o mais luxuoso da cidade. Os moradores argumentam que com a remoção de parte da Favela Panorama, que fica ao lado do bairro, criou-se uma rota de fuga direto para a Marginal do Pinheiros.Juarez Alvarenga, presidente da Associação de Moradores Cidade Jardim Panorama (AMCJP), reclama do descaso do poder público. "Depois dos assaltos, não mandam investigadores e não são feitas perícias." O delegado do 34º DP afirma que todos os casos estão sendo investigados e, desde outubro, quando assumiu, seis crimes já foram solucionados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.