Ondas de até 4 metros de altura no Rio

Uma ressaca com ondas de até quatro metros de altura que fizeram um espetáculo para os observadores e para os surfistas, mas também causaram transtornos e prejuízos no Rio de Janeiro hoje."Estamos com sorte, até agora não morreu ninguém", informou o comandante do Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros(G-Mar), Marcos Aurélio Silva.Segundo ele, de sábado até 17h deste domingo, 133 pessoas já tinham sido resgatadas das águas, que também invadiram ruas na orla marítima da zona sul e casas em outros pontos da capital. Em uma das operações mais difíceis para o G-Mar, os surfistas Pedro Paulo Bruni, Rogério Gomes Maciel e Carlos Rodrigues Lopes de Oliveira foram resgatados de helicóptero, após serem arrastados pelo mar por mais de um quilômetro na Praia do Vidigal em direção ao Leblon, na Zona Sul do Rio. A água invadiu pistas nos bairros de Ipanema e do Leblon, interrompendo o trânsito na Avenida Delfim Moreira, onde chegou a destruir parcialmente o portão de um prédio. Em São Conrado, o mar também destruiu parte de duas rampas que ligam o calçadão à praia. Em Saquarema, cidade da Região dos Lagos muito procurada por surfistas, os prejuízos foram grandes. "As águas entraram 500 metros para dentro da cidade, alagaram o centro, derrubaram quiosques, destruíram o asfalto perto da praia e invadiram casas na Barra Nova, um bairro turístico", informou o deputado estadual Paulo Melo (PMDB), que estava no local."É uma ressaca que eu, que sou de Saquarema e tenho 44 anos, nunca vi igual", disse o deputado. Nas praias de Itaipu e Ponta Negra, na cidade de Niterói, a força das águas arrastou mais de 60 embarcações das colônias de pescadores para as estradas. Também destruiu inteiramente uma traineira nas pedras da Barra de Guaratiba, que estava vazia quando o acidente aconteceu, por volta das 4h30 da manhã.Em Macaé, no norte fluminense, 13 famílias ficaram desabrigadas pela invasão das águas em suas casas. Cinco delas foram destruídas. Em Rio das Ostras, 10 quiosques foram destruídos. Dois oficiais do G-Mar, o major Ricardo Nunes e o capitão Marcos Sarto, ficaram feridos quando o quiosque que estavam interditando foi derrubado pelo mar. Na Ilha de Guaracetuba, na Baía de Sepetiba, ao sul do Rio, duas pessoas foram resgatadas depois de terem passado dois dias isoladas porque perderam seu barco, segundo o G-Mar."As ondas ficarão ainda maiores lá para as duas horas da manhã, e a ressaca vai até terça-feira. Ela está sendo causada por um vento sudoeste muito forte", explicou.De acordo com ele, 600 homens da Defesa Civil estão trabalhando nos resgates e na prevenção de acidentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.