ONG denuncia à ONU descaso com índios

CORRESPONDENTE

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2010 | 00h00

GENEBRA

Membros das tribos guaranis no Brasil estariam vivendo uma das piores situações de direitos humanos de um grupo indígena no hemisfério ocidental. A denúncia foi apresentada ontem à ONU pela Survival International. A ONG pediu à entidade que tome medidas para forçar o País a dar solução para o problema.

Pela acusação, entregue em Genebra, a expectativa de vida de um guarani hoje seria de 20 anos. A denúncia sustenta que o governo não adota medidas para garantir os direitos indígenas.

Desnutrição, alta taxa de suicídio, violência e falta de acesso às terras são os principais problemas. O documento ainda aponta a demora da União em promover a demarcação de terras. "O relatório expõe a situação terrível em que vivem os índios guaranis no Brasil. Se uma ação não for tomada pelo governo, muitos outros morrerão", afirmou o diretor da ONG, Stephen Corry.

Em nota, a Funai disse ontem que as demarcações das terras indígenas no Mato Grosso do Sul são paralisadas na Justiça "por grupos econômicos e políticos locais". Do outro lado, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado, Eduardo Riedel, que tem recorrido à Justiça contra as demarcações, afirma que as ações visam sobretudo defender o direito à propriedade, assegurado na Constituição. / COLABOROU ROLDÃO ARRUDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.