ONG que encampou projeto comemora decisão do tribunal

O coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Márlon Reis, comemorou a aprovação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da validade da Lei da Ficha Limpa para as eleições deste ano. "É uma mudança profunda nos hábitos e costumes brasileiros, fruto de mobilização popular como nunca se viu na história do País", disse.

Moacir Assunção, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2010 | 00h00

Ele participou da sessão do STF que decidiu, após fala do ministro Celso de Mello, manter a lei em vigências nestas eleições, recusando o recurso do senador Jáder Barbalho (PMDB-AP). "O artigo 146 do STF prevê exatamente o que propôs o ministro, que teve a grandeza de reconhecer a lei, ou seja, em caso de empate prevalece a decisão anterior, no caso contrária à pretensão do senador."

O movimento, que representa 46 ONGs ligadas ao combate à corrupção na política, vai agora acompanhar a implementação da nova legislação.

Também contente por causa da aprovação, o coordenador paulista do MCCE, Chico Whitaker, afirmou que a aprovação representa "uma vitória enorme, a ser comemorada por todos os brasileiros".

Na opinião de Whitaker, o substituto do ministro Eros Grau - aposentado em agosto - que viesse a atuar no caso enfrentaria dificuldades para decidir, se o empate prevalecesse. "Ouvimos muitos absurdos e coisas entristecedoras nesse processo, como juiz dizendo que a lei era casuística. Isso é preocupante, mas o que interessa é que a vitória foi conseguida", disse.

Para ele, a grande resistência de muitos setores à lei explica-se pelos interesses que ela atacou. "É um soco no estômago de muita gente que esperava jamais prestar contas dos seus atos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.