Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

ONGs criam plataforma para cobrar ações pela tragédia de Brumadinho

Batizado de Gabinete de Crise, projeto também vai divulgar informações e monitorar o posicionamento de políticos em relação ao desastre

Leonardo Augusto, Especial para O Estado 

14 de fevereiro de 2019 | 12h30

BELO HORIZONTE - Organizações Não Governamentais (ONGs) e entidades ligadas à área ambiental de Belo Horizonte e cidades da Grande BH lançaram hoje, 14, na capital plataforma digital batizada de Gabinete de Crise para reunir informações, monitorar e cobrar empresas e o poder público em relação ao rompimento da barragem da Vale em Brumadinho.

Todo o material será colocado na internet no endereço gabinetedasociedade.org. "Brumadinho é consequência de uma crise não resolvida em Mariana. Como não houve punição, saímos de 19 para 300 mortos" afirma o coordenador do gabinete, e também do projeto Manuelzão, de proteção ambiental, Marcus Vinícius Polignano.

A criação da plataforma é um trabalho voluntário e pretende, além de acompanhar o que será feito pela Vale, monitorar o posicionamento de políticos em relação à tragédia. "E, diferente do que aconteceu em outros momentos, vamos dar nomes aos bois", diz Polignano.

Os ambientalistas prometem ainda participação dos atingidos na plataforma. "Crise é para ser enfrentada, não para ser discutida em gabinete. Minas não quer ficar conhecida pela experiência em recuperação de corpos em lama ou monitoramento de rio morto. Empresa, se não tem capacidade de manter sequer a segurança de seus métodos de produção, que feche", afirmou o ambientalista.

Segundo Maria Teresa Corujo, do Movimento pelas Serras e Águas de Minas, não pode haver falta de punição em relação a Brumadinho. "As implicações humanas, sociais, ambientais e econômicas da lama tóxica, que tirou a vida de centenas de trabalhadores e moradores de Brumadinho, de milhões de outros seres vivos e impactou de forma tão brutal um território e os modos de viver de sua gente, não podem jamais ser esquecidas e terminar em impunidade como ocorreu com o crime da Samarco/Vale/BHP Billiton", disse Maria Teresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.