ONGs denunciam execução de jovens e policiais em Fortaleza

O Centro de Defesa da Criança e Adolescente (Cedeca) e o Instituto Brasileiro de Defesa da Cidadania (Ibradec), duas organizações não governamentais (ONGs) do Ceará que atuam na defesa de direitos humanos pediram à Secretaria Especial de Direitos Humanos, órgão do governo federal, em reunião, esta semana, que sejam investigados os assassinatos de quatro adolescentes e dois policiais militares. Os seis foram mortos em Fortaleza em um conflito que pode ser mais uma confirmação da existência de grupos de extermínio no Ceará. Os assassinatos começaram em 17 de julho, segundo a Cedeca. Naquele dia, um policial militar foi assassinado ao reagir a assalto. Na mesma noite, um adolescente que havia sido preso também foi morto: um grupo de seis homens encapuzados invadiram uma Unidade de Internação da Secretaria de Assuntos Sociais do Ceará onde a vítima estava sob custódia. No dia seguinte, outro policial foi morto quando estava chegando à casa da namorada. À noite, um grupo de homens encapuzados invadiu as casas de três adolescentes para matá-los.Casos RecentesO Ceará possui casos recentes de suspeita de grupos de extermínio. Uma investigação do Ministério Público cearense apontou a existência de uma milícia privada, formada por policiais em horário de folga, que trabalhava para a rede de farmácias Pague Menos. O grupo teria assassinado cerca de 30 pessoas, entre 2000 e 2002. Em 2005, a delegada Cândida Brum foi afastada do cargo após uma gravação telefônica mostrar que ela negociou o assassinato de um jovem suspeito de assalto à farmácia.Além do grupo que servia às farmácias, foi identificado, em 2005, um grupo de extermínio que atuava na região do Cariri, no sul do Estado. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Grupos de Extermínio identificou a execução de 57 mulheres de 2001 a 2003. Segundo a CPI do Congresso Nacional, o grupo era formado principalmente por policiais militares. A Secretaria de Segurança Pública do Ceará não se pronunciou sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.