Ney Douglas/Estadão
Ney Douglas/Estadão

Ônibus voltam a circular no domingo em Natal, após ataque

Empresas haviam retirado frota das ruas depois que criminosos incendiaram um coletivo na tarde de sábado; Secretaria de Segurança Pública diz que vigilância foi reforçada

O Estado de S.Paulo

02 Junho 2018 | 21h11

Os ônibus de Natal voltam a circular normalmente neste domingo, 3, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesed) do governo do Rio Grande do Norte. Toda a frota havia sido retirada das ruas no sábado, 2, depois de um ônibus da empresa Guanabara ser incendiado no bairro Nordeste, na zona oeste da capital potiguar. 

+++ Governo produz vídeos para negar nova greve de caminhoneiros: 'Querem botar medo nas pessoas'

De acordo com a Sesed, a Polícia Militar reforçará a segurança no entorno das garagens para evitar novos episódios de violência. As informações são do jornal Tribuna do Norte. A secretaria informou que o ônibus foi incendiado por volta das 15h30 de sábado, depois que os criminosos mandaram os passageiros descerem. Não houve feridos. Após o crime, seis empresas de ônibus que atuam em Natal decidiram recolher as frotas.

+++ De ônibus, a arriscada fuga da Venezuela

A Sesed considerou que o crime foi um evento isolado e reforçou o monitoramento dos bairros e a vigilância de pessoas e comunicações suspeitas, com a instalação de um Gabinete de Gestão Integrada, que monitora situações de crise na segurança pública. O gabinete decidiu que qualquer pessoa que comprar combustíveis a granel nos postos terá de ser identificada. Os frentistas pedirão um documento com foto, que será registrado em imagem digital a ser enviada ao Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Em nota à imprensa, a PM do Rio Grande do Norte informou que investiga se o ataque teve relação com a morte de Kelves Freitas de Brito, soldado da PM que foi assassinado por dois criminosos na manhã de sábado, em um estabelecimento comercial de Parnamirim, na região metropolitana de Natal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.