Ônibus: líder rebate acusação de secretário

O presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, Edivaldo Santiago da Silva, reagiu com irritação às acusações feitas pelo secretário municipal dos Transportes, Carlos Zaratini, de que a greve da categoria teria sido acertada entre trabalhadores e empresários, para obter mais recursos da prefeitura. "O que o secretário colocou em dúvida foi a capacidade de mobilização do sindicato. Se ele não teve liderança entre os metroviários, temos liderança na categoria e conseguimos parar a cidade. Não precisamos de patrão para isso", disse. Silva garantiu que uma das provas de que não há acordo com os empresários do setor de transportes é o fato de a categoria estar fazendo acordos individuais, em cada garagem.O sindicalista afirmou que, em algumas viações, o pagamento do salário atrasado, de março, será feito 50% hoje, e 50% na segunda-feira. "O acordo mostra claramente que o secretário de Transportes está errado. A guerra não foi feita em conluio com os patrões. Este sindicato e esta diretoria não fazem acordo com patrões".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.