Ônibus voltam a circular; São Paulo tem trânsito complicado

Os ônibus das 16 empresas de São Paulo voltaram a circular aos poucos pela cidade, a partir das 16 horas de hoje. Até o fim desta tarde, segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), pelo menos 46 ônibus haviam sido incendiados durante os ataques em toda a capital paulista.Com a possibilidade da falta de ônibus e a suspensão do rodízio de veículos, o motorista que trafega pela capital paulista na noite desta quinta-feira, 13, enfrenta um congestionamento de 142 quilômetros, acima da média para o horário das 19 horas, que é de 131km.Com o rodízio de carros suspenso, a CET registrou às 10 horas, 86 quilômetros de lentidão, bem acima da média para o horário, que é 42 quilômetros. Das 10 às 16 horas apenas 15% da frota de ônibus circulou.De acordo com informações da São Paulo Transporte (SPTRans), na zona oeste, os veículos das empresas Oak Tree, Viação Gato Preto e Transpass já estão nas ruas. Na zona norte, as empresas Sambaíba e Santa Brígida, que também atendem a zona oeste, voltaram a circular.Na zona sul da cidade estão em circulação os ônibus das empresas Campo Belo, Vip, Tupi, Gatusa, Transcuba, Cidade Dutra e Paratodos. Já na zona leste, os veículos das viações Himalaia e Viasul também voltaram a atender os passageiros.De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os piores trechos estão na pista expressa da Marginal do Tietê, sentido Penha-Lapa, onde o engarrafamento é de 14 quilômetros, entre as pontes Jânio Quadros e Atílio Fontana.Ainda na via expressa da Marginal do Tietê, mas no sentido contrário, a lentidão é de 9,4 quilômetros, desde a Ponte Julio de Mesquita Neto até a Rodovia Presidente Dutra.Já na Avenida Radial Leste, sentido bairro, o trânsito está carregado por 4,6 quilômetros, desde a Rua Wandenkolk até a Avenida Pires do Rio.Manhã tensaA manhã foi caótica em quase todas as regiões da cidade. Com poucos ônibus circulando, o que se via pelas ruas eram pontos cheios de pessoas e muita gente caminhando. Às 6h30 a Polícia Militar calculou cerca de 5 mil pessoas aguardando um transporte no Largo 13, zona sul. Algumas pessoas indignadas fizeram manifestações na região. Elas tomaram as ruas e impediram a passagem de qualquer veículo, mas por apenas alguns minutos. Segundo a PM, ninguém foi preso, porque com a conversa todos concordavam em voltar para a calçada. O efetivo de policiais naquela região era quase o dobro durante a manhã, porque os soldados do período noturno continuaram trabalhando para evitar confusões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.