ONU "consternada" com morte de 2ª testemunha no Brasil

A Organização das Nações Unidas (ONU) manifestou consternação com o assassinato ontem do brasileiro Gerson Jesus Bispo, que denunciou à relatora especial sobre Execuções Sumárias da organização, Asma Jahangir, a existência de grupos de extermínio no Recôncavo Baiano. "Recebemos, esta manhã, com grande consternação a notícia da morte de uma segunda pessoa, após depoimento a enviada especial" disse Jose Diaz, porta-voz do Alto Comissariado para Direitos Humanos da ONU. Diaz disse que as Nações Unidas estão buscando mais informações sobre o assassinato de Bispo, que denunciou no dia 20 de setembro a morte de seu irmão horas após ter sido detido pela polícia. A morte de Bispo "é uma indicação lamentável da situação" encontrada por Jahangir durante sua missão de três semanas em nove cidades brasileiras, disse Diaz. No dia 27 de setembro, Flavio Manoel da Siva foi assassinado em Pedras de Fogo, na Paraíba, após conversar com a relatora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.