ONU diz que nosso problema de moradia é ?preocupante?

Em um viagem de vistoria em favelas e programas habitacionais brasileiros, o relator especial das Nações Unidas para a Moradia, o indiano Millon Kothari, avaliou hoje que o problema da falta de casas no País é "sério" e "preocupante" e não será resolvido pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva. "Só a longo prazo o Brasil tem condições de resolver a situação do déficit de moradias", afirmou o relator. Atualmente, esse déficit chega a 6,6 milhões de residências.Depois de receber do ministro das Cidades, Olívio Dutra,informações sobre projetos na área, Kothari elogiou a "mudança de ruptura" no modelo de política habitacional do governo Fernando Henrique Cardoso para o atual. "Os programas do governo Lula privilegiam os pobres e não a classe média", disse o relator. "Isso significa uma ruptura do modelo." Millon Kothari, no entanto, disse que seu relatório não tem por objetivo garantir ao governo brasileiro mais facilidade na obtenção de financiamentos externos para a construção de moradias. "A princípio, o País pode resolver seu problema de falta de moradia." O secretário nacional de Habitação, Jorge Hereda, disse que 84% das famílias sem moradia recebem até 3 salários mínimos. O aumento de favelas no País aumentou 7,65% nos anos 80 e 4,18%, na década de 90.Hoje, existem 3.905 favelas em cidades brasileiras. Segundo Hereda, o déficit habitacional de famílias de classe média reduziu de 15% para 9% de 1991 para 2000. Não houve redução no déficit habitacional de famílias de baixa renda. "Isso não significa que a classe média está sendo bem atendida", ponderou Hereda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.