ONU volta a criticar Brasil por tragédia ambiental em Mariana

Informe revela que o Brasil não está preparado para lidar com incidentes e projetos vão no sentido contrário ao que seria desejável

Jamil Chade e Leonardo Augusto, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2016 | 22h57

GENEBRA - A resposta das autoridades brasileiras e da Samarco não foi suficiente para lidar com o desastre do rompimento da barragem de Mariana, em 2015, e o governo federal tem uma capacidade “limitada” para garantir a segurança nas demais barragens do País. Essa é a conclusão de um informe produzido pelo Grupo de Trabalho da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Direitos Humanos e Empresas Multinacionais, que visitou o Brasil em dezembro para avaliar o impacto do desastre. 

O documento será apresentado no Conselho de Direitos Humanos da ONU ainda neste mês. O informe revela que o Brasil não está preparado para lidar com tais incidentes e projetos no Senado vão no sentido contrário ao que seria desejável, reduzindo o número de controles para licitações de obras.

Em março, a Samarco e as autoridades brasileiras chegaram a um acordo sobre as compensações. Mas a ONU alerta para a importância de se realizar uma “compensação adequada para cada pessoa afetada”. 

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas afirmou ter “tomado todas as medidas cabíveis”. Conforme a Samarco, após a “visita, em dezembro de 2015, novas ações foram e continuam sendo implementadas, visando a reparar os danos causados pelo acidente”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.