Onze alunos baleados por atirador do Realengo seguem internados no Rio

Três crianças estão em estado grave, uma delas correndo o risco de ficar paraplégica; 12 morreram ontem

Priscila Trindade, Central de Notícias

08 Abril 2011 | 10h29

SÃO PAULO - Onze dos alunos baleados na Escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio, continuam internados nesta sexta-feira, 8, em seis hospitais da cidade. Doze crianças morreram após um homem invadir o colégio e disparar contra diversos alunos ontem.

 

Veja também:

link'Vou matar. Não adianta fugir', dizia atirador

linkAtirador era calado, tímido e vivia na internet

linkEm carta, atirador deixa instruções de enterro

linkChocada, Dilma chora e decreta luto de 3 dias linkEUA e Brasil: diferenças e semelhanças

blog Chacra: 250 anos de massacres nos EUA

blog Gabeira: Tinha bala para quase toda escola

mais imagens Imagens do local do atentado

especialO passo a passo da ação do atirador

especialViolência e tragédia nas escolas

 

Um menino de 14 anos, que sofreu uma lesão na perna e estava no Hospital Estadual Albert Schweitzer, teve alta. Segundo boletim da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil divulgado nesta manhã, três estudantes estão em estado grave.

 

Um garoto de 14 anos sofreu uma lesão vascular grave no ombro direito está sendo operado no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na Região Metropolitana.

 

No Hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, duas vítimas estão internadas, uma de 13 anos, baleado no olho direito, e uma de 14 anos que foi atingida por disparos no abdômen e na coluna. Ela corre o risco de ficar paraplégica.

 

Quatro adolescentes permanecem internados no Hospital Albert Schweitzer, sendo que três deles estão em estado estável e um, de 14 anos, baleado no abdômen e na mão, está internado em estado grave.

 

Outros dois alunos de 13 anos estão no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, no centro. Um deles foi baleado no braço e o outro nas mãos. Os dois tem o estado de saúde considerado estável.

Um adolescente de 13 anos continua no Hospital Universitário Pedro Ernesto. Ele foi baleado na perna e no braço e está estável. Outro jovem de 14 anos está no Hospital da Polícia Militar. Segundo a secretaria, ele foi baleado na cabeça, mão e clavícula. O paciente foi operado e passa bem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.