Operação com 100 policiais deixa cinco mortos em Salvador

Ação foi feita em reação a morte de policial civil que investigava tráfico em no subúrbio da capital baiana

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2009 | 13h25

Em uma reação contra a morte de um policial civil, uma operação envolvendo 100 policiais militares e civis deixou cinco suspeitos mortos no bairro periférico de Canabrava, em Salvador, na noite de terça. José Carlos Gonçalves Teixeira, de 52 anos, investigava o tráfico de drogas na região quando foi descoberto pelos criminosos, torturado e assassinado com dois tiros na cabeça durante a tarde. Teixeira integrava a Superintendência de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública (SSP) da Bahia. Seu corpo foi jogado de uma ribanceira.

 

Entre os suspeitos mortos estão três irmãos, Edmilson, Manoel e Rogério Ferreira, de 22, 23 e 24 anos, respectivamente. Eles foram alvejados em casa, em uma suposta troca de tiros. A mãe deles, Maria da Conceição Ferreira, porém, nega que eles estivessem armados. Ela reconhece que dois de filhos eram usuários de drogas, mas nega que integrassem o tráfico. "Eles não estariam em casa se estivessem envolvidos", garante. "Quando eles (os policiais) chegaram em casa, mandaram que eu saísse e mataram meus filhos."

 

O secretário da Segurança Pública, César Nunes, nega que tenha havido abusos na operação. "Houve o confronto e a polícia buscou prender as pessoas envolvidas", diz. A delegada-geral adjunta da Polícia Civil, Emília Blanco, afirma que a corporação vai fazer todos os exames para provar que houve tiroteio entre policiais e criminosos. "É nossa obrigação e um direito das famílias."

 

Segundo a SSP, na operação foram apreendidas seis armas - três revólveres, uma submetralhadora, uma pistola e uma carabina -, 12kg de maconha, 300g de cocaína e uma balança de precisão. As investigações sobre o tráfico na região, de acordo com Nunes, vão continuar.

 

Ônibus

 

Também na noite de ontem, um grupo de 50 pessoas destruiu dois ônibus coletivos, lotados de passageiros, em um ponto de ônibus no bairro da Engomadeira. Os veículos foram cercados e atacados, com pedaços de madeira e pedras, quando pegavam mais passageiros. De acordo com a SSP, a ação foi uma reação da comunidade à morte, na segunda-feira, de um traficante do bairro. Duas pessoas foram presas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.