Operação contra milícia de Jacarepaguá prende 13 pessoas, no Rio

Entre os chefes do grupo está um delegado da Polícia Federal aposentado

Tiago Rogero e Priscila Trindade, estadão.com.br

27 Julho 2011 | 08h23

RIO - Policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) realizam na manhã desta quarta-feira, 27, uma operação para cumprir 16 mandados de prisão contra uma quadrilha de milicianos com atuação em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. Entre os chefes do grupo, segundo a Secretaria de Segurança (Seseg), está um delegado da Polícia Federal aposentado.

 

Há também um comissário da Polícia Civil e um soldado da Polícia Militar, um guarda municipal, dois militares da Aeronáutica e dois advogados. Foram expedidos 35 mandados de busca e apreensão que devem ser cumpridos em bairros como Copacabana, Recreio dos Bandeirantes, Taquara, Santa Cruz, Campo Grande e Marechal Hermes. Até o momento, 13 pessoas foram presas.

 

Já foram presos: Luiz Carlos da Silva, delegado da Polícia Federal aposentado; Eduardo Lopes Moreira, comissário da Polícia Civil do Rio; Thiago Rodrigues Pacheco, policial militar do Rio; Ubirajara Ferreira da Costa, guarda municipal do Rio; Kleber Gomes Lima, advogado; Annibal Ramos, militar da Aeronáutica; Mauro Arthur Ribas, advogado; José Carlos Lins Teixeira; Evaristo da Silva Alves; Edison Dias de Moura; Luciomar Anselmo Sant'ana Lima; Francisco Antônio Ximenes Feijão; Elias Bezerra da Silva. Duas armas foram apreendidas.

 

A operação é realizada em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual. Ao todo, cerca de 120 policiais participam da ação. Os milicianos, segundo a Seseg, atuam desde 1998 na região, principalmente no bairro Taquara.

 

O grupo explorava serviços como fornecimento de gás, sinal de TV a cabo e internet, e também transporte alternativo. De acordo com a Seseg, a quadrilha também atuava em agiotagem, cobrava taxas de segurança dos moradores, além de suspeitas de homicídio e extorsão, e grilagem (invasão) de terras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.