Operação contra milícias prende 16 pessoas no Rio

Estão sendo cumpridos 34 mandados de prisão contra policiais militares, ex-PMs e vereadores; 200 agentes de diferentes delegacias participam das buscas

Talita Figueiredo - O Estado de S. Paulo,

21 de dezembro de 2010 | 11h16

RIO - Dezesseis pessoas, entre elas dois vereadores, foram presas até agora na operação Capa Preta, realizada pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (GAECO). A operação, que teve início na madrugada desta terça-feira, 21, busca combater um grupo de milicianos de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

 

O nome da operação é uma referência ao político Tenório Cavalcanti, que aterrorizava seus adversários e inimigos com a submetralhadora chamada de Lurdinha. O Homem da Capa Preta marcou época nas páginas policiais por desafiar políticos e militares.

 

Estão sendo cumpridos mandados de prisão contra 34 denunciados pelo Ministério Público. Buscas e apreensões estão sendo realizadas em 57 endereços, inclusive na Câmara Municipal de Duque de Caxias. Entre os alvos estão os vereadores Jonas Gonçalves da Silva, o Jonas é Nós, apontado pelos promotores como líder do grupo criminoso, e Sebastião Ferreira da Silva, o Chiquinho Grandão, além de 13 policiais militares, cinco ex-PMs, um sargento do Exército e um fuzileiro naval.

 

A operação mobiliza 200 agentes de várias Delegacias, agentes do Exército, Corpo de Fuzileiros Navais, Corregedorias Internas das Polícias Civil e Militar, além da Corregedoria Geral Unificada.

Tudo o que sabemos sobre:
Riooperaçãomilícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.