Polícia Civil do Rio de Janeiro/Divulgação
Polícia Civil do Rio de Janeiro/Divulgação

Operação contra roubo de cargas na Baixada Fluminense deixa três mortos

Ação entre Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal resultou em cinco armas apreendidas e 16 pessoas presas

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2018 | 01h20

SÃO PAULO - A Polícia Civil do Rio de Janeiro, junto com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Federal (PF), realizou uma operação, na manhã desta quinta-feira, 1º, contra roubo de cargas e tráfico de drogas na Baixada Fluminense. Na ação, três criminosos morreram durante confronto com os agentes. Eles foram socorridos para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiram aos ferimentos.

+ Polícia Federal prende chefe do Ibama em Mossoró

Os policiais foram às ruas para cumprir 65 mandados de prisão e 85 de busca e apreensão em São João de Meriti e no Parque Roseiral, em Belford Roxo, principal destino das cargas roubadas.

A operação apreendeu cinco armas de fogo, duas motocicletas roubadas e levou 16 pessoas presas. Os criminosos que não foram encontrados serão alvos de novas buscas.

+ Forças Armadas fazem operação de combate a roubo de cargas e contrabando no Rio

Segundo o delegado da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), Vinícius Domingos, "o roubo de cargas vem sendo o carro-chefe das facções criminosas e dos traficantes de drogas". 

As investigações começaram há cinco meses apurando o crime do roubo de cargas, mas logo foi identificado que a quadrilha também praticava tráfico de drogas. "Através dessas ações, eles lucram para poderem se armar", disse Domingos.

Nesta quinta-feira, a ação conjunta contou com cerca de 350 homens da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), 64ª Distrito Policial, PRF e PF.

Com informações da Agência Brasil

Mais conteúdo sobre:
roubo de carga

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.