Operação da PF contra ação de doleiros prende 22 pessoas

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira 22 pessoas na Operação Kaspar, direcionada contra ação de casas de câmbio com o objetivo de combater o crime contra sistema financeiro nacional e de lavagem de dinheiro. A operação, realizada no Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Amazonas tem 52 mandados de busca e apreensão a cumprir. Na ação, foram apreendidos documentos relacionados à transferências bancárias, movimentações financeiras, câmbio de moedas e propriedade de bens dos suspeitos, além de notebooks, discos rígidos de computadores, 24 carros - sendo alguns deles das marcas Porsche, Mercedes-Benz, Audi, Toyota, e dezenas de relógios de alto valor. Os policiais encontraram ainda R$ 177 mil e US$ 700 mil em espécie. Boa parte dos dólares, US$ 550 mil, era mantida num compartimento secreto existente no escritório de um dos acusados. Em Salvador (BA), apreendeu-se uma pistola semi-automática com um dos investigados, este preso por porte ilegal de arma. A quadrilha começou a ser investigada pela PF em setembro de 2006, após a identificação de um doleiro em São Paulo que promovia o câmbio ilegal de moedas por meio de um escritório de representação de um banco suíço. Três pessoas continuam foragidas: Marco Antonio Cursini, doleiro de um banco suíço; o filho dele, Caio Vinicius Cursini; e Nick Salussoia, que está fora do País. Os grupos de doleiros interagiam para aumentar a sua atuação no mercado ilegal de câmbio no País. Estima-se que juntos eles movimentavam em torno de US$ 30 milhões, por mês. Dezenove contas bancárias usadas pelos grupos tiveram sua movimentação suspensa, e futuramente o bloqueio pode ser estendido a mais seis contas dos doleiros nos Estados Unidos, Portugal e Panamá. Representantes de empresas suspeitas de efetuar transações com os grupos serão investigadas pela PF.

Agencia Estado,

17 Abril 2007 | 19h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.