Operação de segurança a turistas chega ao porto do Rio

Órgãos estaduais e municipais fizeram hoje uma operação no porto do Rio para coibir irregularidades e dar mais segurança aos turistas que chegam à cidade. Montado na semana passada nos aeroportos doméstico e internacional, o esquema foi levado ao porto por causa da grande movimentação de transatlânticos. Hoje quase 5 mil turistas desembarcaram no Rio. No fim de semana chegam mais 5.600. Cinco transportadoras de turismo estavam com o cadastro no Ministério do Turismo vencido e uma com documentos adulterados. Motoristas de quatro táxis e de uma van irregulares foram autuados. Participaram da ação além da polícia, órgãos de ordenamento do trânsito, Guarda Municipal e Secretaria de Estado de Turismo. A intenção era reprimir taxistas e motoristas de vans que agem ilegalmente, além de guias não cadastrados e ambulantes. O sindicato da categoria no RJ estima que estejam em atividade, no Rio, cerca de 300 guias não cadastrados - para quase 3.000 legalizados. O vice-presidente da entidade, Mauro Rubinstein, lamenta que a Secretaria de Turismo não disponha de funcionários suficientes para percorrer os terminais de desembarque de turismo e os pontos turísticos. "Não é qualquer pessoa que pode trabalhar como guia. Tem muita gente malformada e mal-intencionada". Operações como a de hoje continuarão a ser montadas no porto até o fim da temporada de navios, em abril, informou Luiz Brito Filho, assessor especial da Secretaria de Turismo. Para os próximos dias, estão previstas três atracações: no sábado, chega o Grand Mistral, com 1.600 passageiros; no domingo, o Costa Victoria, com 2.464, e o MSC Victoria, com 1.600. Aeroportos No sábado, domingo e segunda-feira passados houve fiscalização nos aeroportos Tom Jobim e Santos Dumont, por onde circulam vôos domésticos. Hoje durante o desembarque de vôos internacionais no Tom Jobim, não havia sinal de fiscalização. Quatro menores que trabalham como engraxates estavam dentro do terminal - o que seria coibido, de acordo com o que foi anunciado na semana passada pelas autoridades. "A gente vem sempre aqui. Às vezes eles deixam ficar, outras vezes, não. Continuamos tentando", contou um deles, aparentando ter 13 anos.

Agencia Estado,

02 Fevereiro 2006 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.