Operação em dois Estados prende 11 e apreende 200 máquinas caça-níqueis

Ação da PF está acontecendo na Bahia e Rio; investigação não descarta participação de policiais no esquema de jogo ilegal

Solange Spigliatti, Central de Notícias

19 Abril 2011 | 10h13

SÃO PAULO - Onze pessoas foram presas nesta terça-feira, 19, acusadas de pertencer a uma quadrilha especializada na exploração de máquinas caça-níqueis na Bahia. A Operação Bancarrota, da Polícia Federal (PF), visa cumprir 15 mandados de prisão preventiva e 38 de busca apreensão para serem cumpridos nos municípios de Feira de Santana, na Bahia, e São Gonçalo dos Campos, no Rio de Janeiro. Já foram apreendidos cerca de 200 máquinas caça-níqueis, documentos e grande quantia em dinheiro.

 

Durante as investigações realizadas desde o recebimento de denúncia, no início de 2008, foi apontada a possível participação de membros de forças policiais das áreas investigadas na atuação da quadrilha.

 

As máquinas caça-níqueis eram montadas em Feira de Santana e distribuídas em pontos naquela cidade, assim como para outros municípios do interior do Estado e para Alagoas. A organização criminosa desenvolveu um esquema de controle das máquinas e de seus integrantes, consistente na afixação de "selos" identificadores, com finalidade de evitar que as mesmas fossem apreendidas. Os "selos" eram renovados mensalmente e o valor recolhido como pagamento de tais etiquetas era repassado ao chefe da organização criminosa, que garantia a operação das máquinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.