Operação na Mangueira deixa 4 mortos

Entre as vítimas estaria Bruninho, apontado como chefe do tráfico local; três pessoas foram presas

Fabiana Cimieri, O Estadao de S.Paulo

16 Julho 2009 | 00h00

Uma operação da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil do Rio matou quatro pessoas acusadas de serem traficantes e prendeu outros três, ontem de manhã, no Morro da Mangueira, na zona norte do Rio. Segundo a polícia, entre os mortos está o chefe do tráfico local, Bruno Rogério Tavares, o Bruninho, que seria ligado a Alexander Mendes da Silva, o Polegar, que está preso. Além das mortes e das prisões, foram apreendidos um catálogo de armas e munições, dois fuzis, uma metralhadora .30, uma metralhadora Madsen antiaérea, três granadas, três pistolas, 2 mil papelotes de cocaína e 150 quilos de maconha. Também foram recuperados cinco carros e duas motos roubadas. A operação começou por volta das 10 horas, com a participação de cerca de 80 homens de três delegacias especializadas, e tinha como objetivo prender traficantes, apreender drogas e coibir o roubo de carros na região da Mangueira. Os policiais levavam 30 mandados de prisão, busca e apreensão para cumprir.ARRASTÕESDe acordo com a polícia, traficantes estariam praticando arrastões nas proximidades da favela. Segundo a polícia, o chefe do tráfico conhecido como Bruninho foi preso na localidade da favela conhecida como Buraco Quente. Ele estava ferido e tentava sair da favela para ser atendido num hospital. Ele foi levado pelos policiais para o Hospital Souza Aguiar, mas teria morrido no caminho. No início da tarde, o delegado titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão), Tulio Pelosi, pediu reforço de policiais militares do 4º Batalhão e da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) para as áreas de entorno do morro. Eles revistaram passageiros de ônibus e carros que passavam pelo local. Seis suspeitos foram detidos. Havia rumores de que moradores poderiam protestar contra a morte do traficante ateando fogo em ônibus no asfalto, mas, até o final da tarde de ontem, a situação era de aparente tranquilidade no local. Em maio, cerca de uma tonelada e meia de maconha foi apreendida por policiais da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (Drae) durante uma operação no Morro da Mangueira para combater o tráfico de drogas.Um outro traficante, que também lideraria o tráfico na região, lançou duas granadas contra os agentes e morreu no confronto. Outros cinco bandidos foram presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.