Operação-padrão da Polícia Rodoviária causa filas de 17 quilômetros em Brasília

Uma operação-padrão de duas horas da Polícia Rodoviária Federal (PRF) causou congestionamentos de até 17 quilômetros, ontem, nas principais rodovias que dão acesso a Brasília. A manifestação ocorreu entre 7h30 e 9h30, horário de pico para milhares de trabalhadores e servidores públicos que se deslocam para o Plano Piloto, vindos das cidades-satélites e do entorno. Houve transtornos e uma mulher precisou ser socorrida, depois de passar mal. A manifestação de ontem, segundo a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (Fenaprf), foi uma mostra do que ocorrerá na quarta-feira, quando está programada operação-padrão em nível nacional, atingindo acessos a São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Porto Alegre. A categoria reivindica a contratação de mais 10 mil funcionários, um plano de carreira e a exigência de nível superior como requisito para acesso à PRF, além de um reajuste de 44%, escalonado até 2010. "São pleitos justos que se arrastam há quase um ano e o governo tem sido muito leniente nas negociações", reclamou o inspetor José Nivaldino Rodrigues, presidente do Sindicato da PRF em Brasília. Durante o ato, os policiais fecharam um lado das pistas e passaram a fazer vistorias de rotina nos veículos. Em horário de rush, o congestionamento foi inevitável. Nem ambulância com sirene ligada pôde passar. As rodovias mais atingidas foram as BRs 020 e 450. Como não houve greve, nem bloqueio total das estradas, o governo informou que não adotará ainda medidas administrativas contra os manifestantes. Os Ministérios da Justiça e do Planejamento preparam uma contra-proposta, a ser apresentada em uma mesa de negociações com os policiais rodoviários na próxima terça-feira. Em São Paulo, as principais rodovias federais operaram normalmente. Na Régis Bittencourt (BR-116), os policiais mantiveram as tarefas regulares de fiscalização. Eles aguardam o que a categoria vai decidir.

Vannildo Mendes, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2015 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.