Operação prende 26 pessoas ligadas ao tráfico no Amazonas

Uma operação sigilosa desencadeada na madrugada desta terça-feira pela Polícia Federal prendeu 26 pessoas envolvidas no tráfico de drogas, extorsão e roubo de carros, incluindo 17 policiais civis e militares, um advogado e traficantes do Amazonas, sendo que três deles são delegados. A quadrilha, que estava sendo investigada havia 10 meses, tem ramificações em vários Estados do Norte e em São Paulo, onde foram roubados e clonados a maioria dos 34 veículos apreendidos em Manaus, e também onde estão presos dois empresários. A Operação Águia poderá desmontar um dos maiores grupos ligados ao crime organizado no País, segundo a PF.Um dos mais importantes integrantes do grupo era o delegado José Cavalcanti Filho, que chefiou por algum tempo a divisão de repressão à entorpecentes da polícia amazonense, e onde era um dos principais líderes. "A quadrilha estava entranhada na estrutura da polícia", afirmou o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Segundo ele, a operação da PF foi feita a pedido do próprio governador do Estado, Eduardo Braga (PSB). "A nossa ação pode ser um exemplo de como trabalhar em conjunto."A quadrilha estava sendo investigada desde o ano passado, quando a área de inteligência da PF descobriu o envolvimento dos policiais com o tráfico de drogas. "Eles apreendiam drogas e depois a colocavam no mercado novamente", informou o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda. O mesmo acontecia em relação aos carros. O grupo roubava veículos importados - principalmente BMW e Audi - em São Paulo e os revendiam em Manaus, Rondônia e Pará com documentos falsos.Em seguida, os policiais retornavam aos compradores extorquindo dinheiro para não apreenderem os veículos, o que acabava acontecendo dias depois.Somente com Cavalcanti a PF encontrou oito veículos roubados ou clonados, entre os 34 apreendidos durante a operação, além de cinco motos de luxo, armas de diversos calibres que também estavam em poder do capitão da PM, Adrião Severiano Nunes Junior. Outros três policiais estão foragidos e devem ser apresentados pelo sidicato da categoria nas próximas horas e um outro encontra-se em Pernambuco, onde está sendo procurado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.