Marco Antônio Carvalho/Estadão
Marco Antônio Carvalho/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Operação prende filho da governadora de Roraima por esquema no sistema penitenciário

Ação da Polícia Federal investiga suposta organização criminosa com faturamento de R$ 70 milhões. Agentes cumpriram 11 mandados de prisão e 20 mandados de busca em Boa Vista e Brasília

Larissa Lima, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2018 | 19h41

BRASÍLIA - A Operação Escuridão, deflagrada pela Polícia Federal, prendeu nesta quinta-feira, 29, o filho da governadora de Roraima, Suely Campos (PP), o empresário Guilherme Campos. Ele é suspeito de envolvimento em esquema de desvios de recursos públicos do sistema penitenciário de Roraima.  A PF também prendeu os ex-secretários de Justiça e Cidadania do Estado Ronan Marinho e Josué Filho.

De acordo com a PF, o objetivo da operação foi o de desarticular organização criminosa envolvida em desvios de recursos públicos do sistema penitenciário de Roraima, com faturamento próximo a R$ 70 milhões, entre 2015 e 2018. Foram cumpridos 11 mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão, em Boa Vista e Brasília. Os mandatos foram expedidos pela pelo Tribunal de Justiça do Estado de Roraima.

Em entrevista em Brasília, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou que “havia sem sombra de dúvida uma aliança entre agentes políticos, agentes públicos, a corrupção e o crime organizado”.

O diretor-geral da PF, Rogério Galloro, disse que faz parte da dinâmica de superfaturamento o envolvimento de agentes do Estado. “O processo licitatório parte do Estado e, na associação com empresas criminosas, gera-se, então, o crime de superfaturamento, o crime de corrupção. Sim, há envolvimento, isso já foi relatado. Está nos autos”.

A operação começou em 2017 e foi baseada em informações do sistema penitenciário de Roraima, das investigações do Estado e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Segundo os investigadores, a atuação criminosa teve início em 2015 a partir da contratação emergencial de uma empresa aberta há apenas oito dias para serviço de alimentação dos presos no Estado. A empresa superfaturava “o valor da alimentação, além de informar quantitativo superior de refeições ao que era efetivamente providenciado e de fornecer alimentos de baixa qualidade”, como cita a nota.

Na fraude, os responsáveis pela empresa, que está em nome de laranjas e ainda presta serviço, efetuaram saques de cerca de 30% do valor dos contratos para pagamento de propinas e enriquecimento ilícito dos reais proprietários do negócio.

Em nota, a defesa de Guilherme Campos disse que os fatos "não são verdadeiros e carecem do mínimo de prova".  "Importante esclarecer que desde o ano de 2017 a defesa de Guilherme Silva Ribeiro Campos tomou conhecimento oficial sobre a investigação, oportunidade em que este se colocou à disposição da Polícia Federal para prestar qualquer esclarecimento sobre os fatos. Por essa razão, a prisão de Guilherme Silva Ribeiro Campos causou estranheza e perplexidade à sua defesa, vez que, apesar de ter apresentado petição se colocando à disposição desde 2017, jamais foi ouvido pela autoridade policial sobre qualquer dos fatos em apuração. Esclarecemos, por fim, que todos os fatos imputados à Guilherme Silva Ribeiro Campos serão devidamente esclarecidos ao longo da instrução dos processos, oportunidade em que sua inocência deverá ser reconhecida", diz a nota. 

A assessoria da governadora foi procurada, mas não se manifestou. A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos demais citados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.