Operação Strike prende mais de 600, diz Polícia Civil

Ação visa cumprir mandados judiciais; 100 quilos de drogas são apreendidos

Agencia Estado

15 de junho de 2007 | 02h51

O delegado-chefe da Polícia Civil de São Paulo, Mário Jordão Toledo Leme, confirmou que 667 pessoas foram presas nesta quinta-feira, durante as atividades da Operação Strike – deflagrada para cumprir centenas de mandados de prisão e de busca e apreensão no Estado de São Paulo. Mais cedo, o delegado do Departamento de Polícia Judiciária da Capital Paulista (Decap), Aldo Galeano Júnior, já havia afirmado que mais de 600 prisões teriam sido feitas. De acordo com ele, entre os detidos estão seqüestradores, traficantes e ladrões de banco. Segundo o delegado, a ação desta quinta-feira está sendo mais produtiva do que a realizada em março passado graças a um grande trabalho de inteligência. Aldo Galeano disse que, além das prisões, o balanço inicial da operação dá conta de que já foram apreendidos mais de 100 quilos de entorpecentes, houve 40 flagrantes, dois bingos acabaram sendo lacrados e 44 armas apreendidas.Ele destacou que os policiais também conseguiram prender um estuprador que vinha atuando na região da Universidade de São Paulo (USP), na zona oeste de São Paulo. O homem é acusado de atacar estudantes da universidade. Uma quadrilha especializada em roubos a casas e prédios também foi presa. Entre os membros do bando, a polícia prendeu dois soldados do Corpo de Bombeiros foram presos - eles são acusados de utiizar a farda para facilitar os roubos.A Polícia de Osasco prendeu, durante a madrugada, uma quadrilha especializada em aplicar golpes contra o sistema financeiro. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Segurança Pública, essa ação faz parte da Operação Strike.Márcio Reginaldo Sebastião Neves, de 30 anos, Jorge Paulo do Nascimento, de 36 anos, Fernando Gonçalves do Nascimento, de 30 anos, e Carlos Caiana da Silva, de 35 anos, foram presos em Sorocaba, no interior paulista. Com eles, os policiais apreenderam cerca de dois mil cartões magnéticos e três veículos com dispositivos dissimulados para esconder os cartões. Os quatro foram levados para a Delegacia Seccional de Osasco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.