PFRJ/ Divulgação
PFRJ/ Divulgação

Operação contra o tráfico prende 26 PMs no sul do Rio de Janeiro

Policiais são acusados de receber propinas de criminosos que variavam de R$ 500 a R$ 2 mil quinzenais

Marcio Dolzan e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2018 | 08h54
Atualizado 16 de outubro de 2018 | 18h47

RIO - Vinte e seis policiais militares foram presos nesta terça-feira, 16, em uma operação contra o tráfico de drogas no sul fluminense. Eles são acusados de receber propinas de traficantes que variavam de R$ 500 a R$ 2 mil quinzenais. 

Os alvos eram PMs associados a uma quadrilha que atua nas cidades de Volta Redonda, Itatiaia e Resende. Foram expedidos 100 mandados de prisão e 191 mandados de busca e apreensão. Até as 18 horas, havia 81 presos, sendo 77 por força dos mandados e quatro, em flagrante. 

Soldados, cabos e sargentos do 28º Batalhão da PM (Volta Redonda) foram enquadrados em crimes como associação criminosa armada, corrupção, tráfico e roubo. Trinta e dois agentes da unidade estariam envolvidos e teriam permitido a venda de drogas em áreas dominadas pelos criminosos. 

Houve casos de recebimento de R$ 10 mil para liberação de presos e de R$ 5 mil por grandes quantidades entorpecentes devolvidas. E também registros de entorpecentes apreendidos e entregues de volta aos bandidos logo na sequência, mediante pagamento de R$ 1,5 mil.

A operação foi do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do órgão, e foi realizada em parceria com a Polícia Federal, a Corregedoria e a Coordenadoria de Inteligência da PM e do próprio 28º BPM.

O trabalho baseou-se em sete denúncias feitas ao Gaeco, que se referiam aos 32 PMs e a 70 traficantes. Interceptações telefônicas revelaram que os grupos de traficantes indicaram votos em políticos que apoiavam.

Em nota, a Polícia Militar afirmou que os agentes presos foram conduzidos para a unidade prisional da corporação, em Niterói, na região metropolitana do Rio, onde ficarão "à disposição da Corregedoria".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.