Operações resultam em tiroteio que assusta moradores no Rio

Policiais procuravam traficantes que teriam dado alarme falso sobre invasão de morro na zona norte

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2009 | 12h47

Oitenta e três homens da Polícia Militar (PM) vasculharam na manhã desta terça-feira, 21, o Morro São João, vizinho ao Morro dos Macacos, na zona norte do Rio, em busca de suspeitos. Por volta do meio-dia, na Vila Cruzeiro, Penha, outro ponto da zona norte da capital fluminense, uma operação do 16.º Batalhão da corporação resultava em intensa troca de tiros entre policiais e traficantes.

 

Veja também:

linkNúmero de vítimas da guerra do tráfico no Rio chega a 29

linkTraficantes usaram até caminhão para invadir morro

linkUnião envia R$ 100 milhões ao Rio, mas ainda deve recursos

 

Durante o forte tiroteio, os moradores da comunidade ficaram assustados e entraram em estabelecimentos ou se escondiam para tentarem se proteger. Um suspeito foi detido pelos agentes que participavam dessa operação. Não há informações sobre feridos na região.

 

Moradoras choram dentro de bar ao tentarem se proteger da troca de tiros. Fotos: Wilton Júnior/AE

 

Antes, cerca de 300 moradores do Morro São João passaram a noite na rua após receberam informações sobre uma suposta invasão da favela por traficantes do Morro dos Macacos. De acordo com relatos de testemunhas, criminosos da quadrilha que domina o Macacos, da facção Amigo dos Amigos (ADA), teriam chegado à parte alta do São João, controlada por bandidos do Comando Vermelho (CV), e ameaçado se vingar da invasão ocorrida no último sábado.

Porém, o comandante do 3.º BPM, coronel Alvaro Moura afirmou que tudo não passou de "um ato orquestrado para possibilitar a saída de criminosos invasores que estavam no São João desde sábado". No conflito do fim de semana, um helicóptero da PM foi abatido a tiros por traficantes, o que causou a morte de três policiais. Ainda durante a madrugada, três suspeitos morreram baleados em confronto com PMs no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho. Já são 29 mortos no Rio desde o fim de semana.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciatráficooperaçãoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.