Operações simultâneas em favelas do Rio deixam um morto

Incursões em seis locais diferentes da região metropolitana aprendeu armas e drogas e prendeu três

Pedro Dantas e Marcelo Auler, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2008 | 18h52

A Polícia do Rio realizou seis operações em favelas na região metropolitana da capital carioca, nesta quinta-feira, 15. Um homem morreu no segundo dia de buscas às armas roubadas dos seguranças do governador Sérgio Cabral Filho no Complexo do São Carlos, no Estácio, na zona norte. Ao todo, três homens foram presos e drogas e armas foram apreendidas. Desde quarta-feira, o Batalhão de Operações Especiais, o Bope, procura na região um fuzil e três pistolas que criminosos roubaram de três seguranças da família do governador. Na quarta-feira, outros dois supostos criminosos foram mortos e 174 quilos de cocaína apreendidos no conjunto de favelas.  Na Favela da Grota do Surucucu, na cidade de Niterói, foram apreendidas 2.459 pedras de crack. No Complexo de Manguinhos, na zona norte, a Polícia Militar apreendeu 38 pedras de crack, 44 sacolés de cocaína e 312 trouxinhas de maconha. Um homem foi preso. Na Ilha do Governador, na zona norte, outra operação da PM apreendeu cinco bombas de fabricação caseira, 550 sacolés de cocaína e meio quilo de maconha na Favela da Pixuna.  Em Parada de Lucas, na zona norte, 30 agentes da Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos (DRAE) apreenderam 100 quilos de maconha, uma pequena quantidade de cocaína, armas, colete à prova de balas e uma balança. Um policial foi baleado no rosto durante a operação, mas não corre risco de vida. Na zona sul, o alvo foram os Morro do Pavão-Pavãozinho onde a PM prendeu dois homens por tráfico de drogas.

Tudo o que sabemos sobre:
operação, políciaBopedrogasfavelas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.