Operário diz que não houve detonações no Metrô nesta sexta

O desabamento que ocorreu nesta sexta-feira, 12, nas obras da estação Pinheiros da futura linha amarela do Metrô não foi causado por detonações, segundo funcionários que trabalham na construção. De acordo com o frentista José Esmeraldino, que trabalha nas obras e estava dentro do túnel que desabou, havia mais 15 pessoas com ele no local, mas todas saíram antes que houvesse o desabamento. Ele contou que os trabalhadores deixaram o local após pedras começarem a cair do teto do túnel. Até as 16 horas, de acordo com os bombeiros que trabalham no local, não havia informações de vítimas.Jorge Luiz Andrade Bordad, um dos moradores da região, disse que estava vendo televisão quando ouviu o túnel desabar. A casa dele, que fica na Rua Capri, local do desabamento, afundou no solo e corre o risco de ser totalmente engolida pela cratera aberta no asfalto. Segundo ele, a porta teve de ser arrombada para que ele, seus pais e seu sobrinho pudessem deixar a casa.Dawton Roberto Gaia, engenheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), informou que os motoristas devem procurar caminhos alternativos na região, como a Avenida Brigadeiro Faria Lima, pois todas as ruas no entorno da obra estão interditadas. Segundo ele, a causa do desabamento ainda não foi esclarecida. Uma das pistas da marginal Pinheiros continuava fechada, apesar de não apresentar fissuras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.