Operário morre em unidade de perfuração da Petrobras no Rio

Sindicato diz que ele morreu atingido por peça na cabeça; estatal não esclareceu circunstâncias do acidente

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2008 | 21h01

Um operário da empresa Brasdril, que prestava serviços à Petrobras, morreu no início da tarde desta quinta-feira, 10, quando trabalhava na unidade marítima de perfuração Ocean Aliance/SS-55. A estatal não esclareceu em que circunstância ocorreu a morte de Alessandro Paulo da Cruz, de 37 anos.   Em nota, a Petrobras informou que o acidente ocorreu durante a perfuração do bloco BM-S-45 (Bacia Marítima de Santos 45), a 160 quilômetros da costa do litoral sul fluminense. Cruz chegou a ser atendido pelo médico, que trabalha a bordo da sonda, mas não resistiu. A Petrobrás abriu sindicância para apurar as causas do acidente.   O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense informou que Alessandro da Cruz realizava uma operação de manutenção, quando foi atingido na cabeça por uma peça do sistema tensionador do condutor submarino. Para o sindicato, os repetidos acidentes em instalações da Petrobras demonstram "a total ineficiência da política de segurança, meio ambiente e saúde" da estatal .

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasRio de Janeirooperário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.