Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Operário morre soterrado na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho

Servidor terceirizado operava retroescavadeira na mina da Vale quando foi atingido por deslizamento de talude da cava. Mineradora disse lamentar morte

Leonardo Augusto, Especial para o Estadão

19 de dezembro de 2020 | 00h32

BELO HORIZONTE - Um operador de retroescavadeira morreu soterrado nesta sexta-feira, 18, quando trabalhava na mina de Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. A mina é a mesma onde, em 25 de janeiro de 2019, uma barragem de rejeitos de minério de ferro se rompeu, matando 270 pessoas. Onze não foram localizadas até hoje. As buscas pelos corpos foram interrompidas por causa da pandemia do novo coronavírus e retomadas em 27 de agosto de 2020.

O acidente desta sexta-feira, conforme informações dos bombeiros, não aconteceu na área em que os corpos estão sendo procurados, mas em local de "descarte de material, onde a operação ocorre de maneira separada da operação de busca".

O coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, Flávio Godinho, afirmou que o operador manobrava uma máquina próximo do talude da cava da mina "quando houve movimentação de massa em cima dessa escavadeira". O deslizamento ocorreu por volta das 16 horas. O talude é como se fosse a parede da cava, que é o local de onde o minério de ferro é retirado.

Os bombeiros afirmaram que o trabalhador era de empresa terceirizada da Vale. As equipes que atenderam a ocorrência são as mesmas que atuam na região na busca pelos corpos ainda não localizados.

Segundo a corporação, com o deslizamento, a terra destruiu a cabine da máquina, atingindo o operador. Os trabalhos para retirada do corpo seguiam por volta das 19h. 

Em nota, a Vale disse lamentar "profundamente o falecimento de um empregado da empresa contratada Vale Verde". "A Vale, juntamente com a empresa contratada, dará apoio aos familiares do empregado. As empresas estão apoiando as autoridades no atendimento ao caso e na apuração das causas do acidente. As atividades de manutenção no local serão suspensas para novos estudos e avaliações das condições de segurança", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.